BNDES divulga fintechs para investir em 2021

BNDES divulga fintechs para investir em 2021
Digital World series. Background made of numbers, lights, and fractal shapes on the subject of science, education and math

O BNDES divulgou hoje as fintechs pré selecionadas para investir em 2021, são 12 propostas em sua chamada pública para fundos de crédito com foco em micro e pequenas empresas, além de microempreendedores individuais. Dessa seleção inicial, contudo, apenas dez devem ser contratadas. O resultado final será divulgado no máximo até abril de 2021.

A lista divulgada conta com CashMe, Nexoos, Monkey Omiexperience, BLU, Provi, Aqio, One7, Finpass, Biz Capital, Tomatico e Trusthub. O anúncio foi feito pelo diretor de Participações, Mercado de Capitais e Crédito Indireto, Bruno Laskowsky, durante uma transmissão no canal da instituição no Youtube.

FUNDOGESTORAFINTECHS
Fundo de Investimento em Direitos Creditórios BNDES CASHME-PLURALBRPP Gestão de Produtos Estruturados Ltda.CashMe
BSA FIC FIDCSolis Investimentos Ltda + Augme Capital Gestão de Recursos LtdaNexoos, Monkey
Omiexperience, BLU e Provi
FIC-FIDC BNDESPAR XPXP Vista Asset Management LtdaAqio e One7
LIBRA Fundo de Investimentos em Direitos Creditórios – FIDCCaptalys Gestão LtdaTomatico
SRM Exodus PME Fundo De Investimento Em Direitos CreditóriosNova SRM Administração de Recursos e Finanças S.A.Trusthub
FIDC BizCapital Finpass PMEEmpírica Investimentos Gestão de Recursos Ltda + Gauss Capital Gestora de Recursos Ltda.Finpass e Biz Capital

O BNDES, por meio dos fundos, apoiará com até R$ 4 bilhões soluções que ofereçam empréstimos por meios alternativos para pequenos negócios, ajudando a diversificar as fontes de recursos para esse público e melhorar seu acesso ao crédito. Para tanto, serão utilizados instrumentos como fintechs ou sistemas de pagamento digital (como máquinas de cartões de crédito). Ao todo, 73 fundos se inscreveram para a seleção, o que demonstra interesse de investidores em ampliar crédito para as micro e pequenas empresas.

Bruno Laskowski reconhece a importância da medida no momento da crise, mas destaca seu papel estruturante. “O BNDES está ativamente buscando iniciativas para melhorar a economia do pais. A iniciativa dos FIDCs é uma inovação e ela vai neste contexto. Ela tem uma aplicação neste momento mais crítico da economia mas veio para ficar. Com ela, sinalizamos que a ampliação de nossos canais de acesso ao crédito faz parte da estratégia do Banco e estamos muito felizes com a repercussão que esse movimento dos FIDCs trouxe ao mercado”, declarou. “A gente entende que é muito importante trazer novas modalidades de acesso ao crédito, como fundos de crédito que, em adição ao sistema bancário, agrega recursos à economia”, complementou.

Dos 12 fundos, metade propõe oferecer crédito para a base de clientes de empresas a partir de plataformas eletrônicas, como sites de vendas ou sistemas de pagamentos eletrônicos, a exemplo das máquinas de cartão amplamente utilizadas por comerciantes. A expectativa é que o fornecimento de financiamento por canais digitais a clientes que já fazem parte da base dessas empresas dê agilidade ao processo. Com limite individual de até R$ 200 mil por cliente, 75% das operações desses fundos deverão ter prazo igual ou superior a nove meses (incluindo 60 dias de carência) e o custo efetivo total para o cliente final será inferior a 3,5% ao mês.

Já os outros seis fundos são estruturados por gestores registrados na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e devem realizar operações de financiamento por meio de plataforma eletrônica própria ou de empresas parceiras, como fintechs, por exemplo. Nesse caso, as operações poderão ser de até R$ 20 milhões, 75% das delas deverão ter prazo igual ou superior a 12 meses (com 60 dias de carência) e o custo final para o tomador deverá ser menor do que 4% ao mês.

As propostas recebidas pelo BNDES foram avaliadas conforme critérios como menores custos e maiores prazos para o tomador final, além da quantidade de clientes beneficiados. Com isso, destacaram-se os fundos que apresentaram as melhores condições para o cliente final, maior solidez e melhor perspectiva de retorno para o BNDES.

Os fundos passarão agora pela fase de análise gerencial e jurídica, que consiste em uma avaliação mais detalhada com a finalidade de examinar se as propostas são viáveis e obedecem às normas vigentes. Durante esse processo, mais condições poderão ser negociadas e mais investimentos privados poderão ser captados. Caso haja desclassificação de alguma proposta ou algum proponente opte por não prosseguir com o processo, poderão ser chamados fundos que passaram pela fase inicial de priorização, observada a ordem de classificação.

Até 10 fundos poderão ser investidos, havendo a expectativa de que comecem a ser contratados em setembro. A partir daí poderão começar a disponibilizar crédito a clientes como o feirante carioca Achille Giglio Júnior, que recebe a maior parte dos pagamentos por meio digital: “Trabalho com cartões de crédito há uns cinco anos e com certeza meu faturamento aumentou. Hoje cerca de 70% das minhas vendas são pagas com cartões”, declarou.

Mais informações sobre a chamada estão disponíveis em www.bndes.gov.br/fundoscreditompme.

Relação dos fundos selecionados:

Fundos Originadores

  • Brasil Microcrédito Impacto Social Fundo de Investimentos em Direitos Creditórios
  • Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Cielo e BNDES
  • Fundo de Investimento em Direitos Creditórios MPME Integral B2W
  • Pagseguro BNDES Fundo de Investimento em Direitos Creditórios
  • Magalu I Fundo de Investimento em Direitos Creditórios
  • Soma II Fundo de Investimentos em Direitos Creditórios (Stone)

Fundos PMEs

  • BSA FIC FIDC
  • FIC-FIDC BNDESPAR XP
  • FIDC BizCapital Finpass PME
  • Fundo de Investimento em Direitos Creditórios BNDES CASHME-PLURAL
  • LIBRA Fundo de Investimentos em Direitos Creditórios – FIDC
  • SRM EXODUS PME FIDC

MPMEs – Estima-se que no Brasil existam cerca de 13 milhões de MPMEs. Considerando-se também as pessoas que exercem atividade econômica individualmente, esse total pode ultrapassar 20 milhões. De acordo com o SEBRAE e a FGV, entre 2006 e 2019 as micro e pequenas empresas geraram cerca de 13,5 milhões de empregos, enquanto as médias e grandes fecharam 1,1 milhão de postos de trabalho. Apesar de as MPMEs serem responsáveis por quase 40% do PIB nacional, respondem por apenas 15% dos créditos ativos no Sistema Financeiro Nacional, segundo dados do Banco Central relativos a fevereiro de 2020. Isso significa que elas têm menor acesso a esse crédito mais tradicional proporcionalmente às maiores. A estruturação de fundos direcionados a essas empresas busca contribuir para corrigir esse desequilíbrio.

Chamada MPMEs – O BNDES estima alcançar até 100 mil empresas com esta iniciativa, que tem como foco qualquer empreendedor com acesso a um meio de pagamento, seja por meio de uma maquininha, por marketplace ou via fintech, mesmo que não seja bancarizado. A expansão do crédito por meio de canais alternativos é uma tendência mundial e está alinhada ao propósito social do BNDES.

Entre as empresas que deverão ser beneficiadas estão restaurantes que vendem por meio de canais digitais – pessoalmente e por meio de delivery -, motoristas de aplicativos, pequenos comerciantes que operem com maquininhas.

O BNDES poderá ter uma participação de até 90% do capital de cada fundo, observado o limite de R$ 500 milhões de cada. Os recursos deverão ser aplicados em negócios no Brasil.

Fonte: BNDES

EnglishPortugueseSpanish