Oito apostas da Visa para o setor de meios de pagamento eletrônicos em 2021

Oito apostas da Visa para o setor de meios de pagamento eletrônicos em 2021

Entre janeiro e setembro de 2020, os pagamentos por meios digitais chegaram a R$ 1,38 trilhão. Segundo a Abecs (Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços) foram 16,3 bilhões de transações – R$ 306,9 bilhões em compras não presenciais.

“São tendências que vieram para ficar, beneficiando toda a cadeia: emissores, estabelecimentos comerciais, consumidores e redes de pagamento”, diz Percival Jatobá, vice-presidente de Soluções e Inovação da Visa do Brasil.

Confira as principais apostas da Visa – que deixou de fora o PIX, um forte concorrente do cartão de débito:

• E-commerce: a popularização e a emergência do comércio integrado

Em 2021, devemos ver a consolidacão do comércio integrado (operações online e física juntas), com novas formas de entrega e avanços tecnológicos para quem compra via app. Além disso, estratégias de comércio multicanal poderão tornar as empresas ainda mais ágeis para atender as constantes mudanças e necessidades dos seus clientes – compra on-line com retirada por drive-thru, por exemplo.

Visa Consulting & Analytics, braço de consultoria da Visa, analisou o comportamento desses estabelecimentos comerciais brasileiros, entre abril e junho deste ano, e descobriu que mais de 70 mil que atuavam apenas no mundo físico no mesmo período de 2019 entraram para o mundo online. E mais: essas empresas conseguiram aumentar seu ticket médio por transação em 17% ao migrar para o e-commerce.

• Pagamentos digitais por aproximação tornam-se cada vez mais padrão

O uso de pagamentos por aproximação tornou-se uma medida de saúde pública para evitar a COVID-19 e nada indica que isso mudará pós-pandemia. E isso não se aplica apenas às empresas tradicionais ou de grande porte: no mundo todo temos presenciado governos aumentando os limites das transações por aproximação, redes de transporte público atualizando seus sistemas para aceitá-los e pequenas empresas usando essa agilidade a seu favor. Como parte da expansão, os pagamentos nos pontos de venda e as plataformas de financiamento passarão por uma grande transformação para garantir que as opções digital-first sejam viáveis; além disso, as moedas digitais se tornarão um dos métodos preferidos dos consumidores para pagar suas compras.

Quando comparamos setembro de 2019 com o mesmo mês em 2020, o crescimento do pagamento por aproximação com credenciais da Visa foi quase 5 vezes maior. Na comparação entre o primeiro trimestre de 2020 e terceiro trimestre desse mesmo ano, vimos o uso praticamente dobrar.

• Tap to phone

À medida que os pagamentos por aproximação vão se tornando a experiência de pagamento padrão em pontos de venda do mundo inteiro, a tecnologia Tap to Phone – solução que transforma a geração atual de smartphones ou tablets Android em terminais POS baseados em software (softPOS) – permitirá que as micro e pequenas empresas entrem na economia digital com a simplicidade de um app. Tap to Phone permite que os vendedores aceitem pagamentos por aproximação sem a necessidade de adquirir um terminal de aceitação de pagamentos. Este produto está começando a crescer em algumas regiões e a expectativa é que 2021 e 2022 sejam anos de muito crescimento, conforme a popularização do uso de pagamentos por aproximação. Já existem planos de lançamento para o Brasil.

• Moeda digital para todos os consumidores

A cada dia, o sistema financeiro mundial fica mais próximo de um futuro com criptomoedas. O dinheiro digital está cada vez mais presente “nas carteiras” dos consumidores e nas mentes dos legisladores, inaugurando uma nova geração de moeda digital que deverá ser expressivamente consumida em 2021. Por exemplo, desde o lançamento do programa para fintechs da Visa, o Fast Track, cerca de um terço das empresas participantes voltadas ao consumidor está criando produtos que usam moedas digitais.

• Marketplaces digitais são as novas “Ruas do Comércio” para as MPE

O pequeno empresário está sempre de olho em maneiras de entrar em mercados fora de sua comunidade local – principalmente agora que as normas para as compras presenciais e de controle da COVID-19 alteraram drasticamente a forma como as MPEs se mantêm conectadas com os clientes. Em 2021, enxergar os marketplaces como uma nova “Rua do Comércio” digital será fundamental para a sobrevivência das pequenas empresas. Além de ajudarem a pequena empresa a ganhar exposição, eles permitirão atingir novos clientes em potencial, vender seus produtos 24/7 e desenvolver novas experiências de atendimento para os consumidores que são digital-first.

• Pequenas empresas frente às fraudes

As fraudes migraram para as transações no mundo online. Com a migração para o online-first, as pequenas empresas precisam ficar atentas a esta tendência, visto que podem não estar tão bem equipadas quanto as grandes empresas no quesito segurança.

• Benefícios do pagamento eletrônico

Outra tendência muito importante diz respeito à evolução dos benefícios dos cartões de crédito, um meio de pagamento com vantagens, como o parcelamento sem juros, programas de fidelidade, benefícios de seguro proteção de compra, proteção de preço, garantia estendida, além de benefícios de viagens.

• A vez do débito online

O débito, por sua vez, também ganha espaço nas tendências de 2021. O uso da modalidade vem assumindo um crescimento importante, uma vez que, em meio a instabilidade do momento, a população passa a preferir pagamentos à vista, além do uso de pagamentos digitais ao manuseio de dinheiro em papel. A categoria de débito online cresceu com o aumento da presença de empresas no e-commerce. A implantação de tecnologia de segurança, como o 3DS 2.0, por exemplo, favoreceu as transações virtuais, e deverá se popularizar, trabalhando nos bastidores para que todos possam ter a melhor experiência possível em seus pagamentos digitais.

%d blogueiros gostam disto: