CapTable, que já investiu nas fintechs AlterBank e Wuzu, quer captar R$ 100 milhões para 40 startups em 2021

CapTable, que já investiu nas fintechs AlterBank e Wuzu, quer captar R$ 100 milhões para 40 startups em 2021

Depois de captar R$ 11 milhões em investimentos para 11 startups em 2020, a CapTable – plataforma de investimentos coletivos – planeja captar R$ 100 milhões para 40 startups até o final de 2021. Os aportes serão destinados para empreendimentos digitais focados em inovação e que tenham alto potencial de escalabilidade. 

De acordo com Guilherme Enck, cofundador da CapTable, podem se candidatar startups que estejam em estágio Seed ou Série A. Serão analisados inicialmente fatores como produtos que já tenham sido validados no mercado e que estejam faturando. 

“Depois a nossa equipe – que conta com nomes de peso no mercado de investimentos em inovação –  faz um estudo minucioso que leva em conta diversos aspectos que podem indicar se aquela startup tem chances de crescer exponencialmente. Assim, será possível oferecê-las aos investidores que confiam no nosso trabalho”, explica Enck. 

Mais de 2,5 mil investidores aportaram recursos em startups como Alterbank (fintech), Livima (PropTech / Fintech), Umbler (CloudHosting), Skydrones (Agrotech), InovaPictor (Legaltech), Pomartec (agrotech), Oak’s Burritos (Varejotech), O Amor É Simples (Ecommerce), InBeauty (Healthtech), Trashin (cleantech), Wuzu (fintech), Vulpi (HRtech) e Eirene Solutions (Agrotech). 

Dados da Comissão de Valores Imobiliários (CVM) mostram que em 2019  foram captados um total de R$ 59 milhões em investimentos coletivos (crowdfunding) por 6.720 investidores para 60 startups. O montante foi 28% maior do que os valores captados em 2018 e o mais alto desde que entrou em vigor a Instrução CVM 588, que regulamentou o setor. 

O número de 2020 ainda não saiu, mas ao que tudo indica deve ser superior ao do último relatório oficial. Dentro da própria CapTable, as captações de R$ 500 mil costumavam demorar cerca de 90 dias para serem concluídas em 2019. Já em 2020 a situação mudou para melhor.  O maior exemplo disso foi um recorde nacional batido pela CapTable que conseguiu arrecadar R$ 1,3 milhão para a startup Serall (da indústria 4.0) em apenas 11 horas. 

Com o plano de captar os R$ 100 milhões até o final do ano para 40 startups, a CapTable passa a se posicionar também como uma empresa de funding para startups. Isso envolve, além do uso da plataforma de crowdfunding, rodadas privadas e club deals.

Segundo a CapTable, além do investimento captado, as startups podem contar também com pacotes de benefícios como serviços do Growth Team e parceiros estratégicos para internacionalização, com mentores com amplo conhecimento dos programas de fomento da União Europeia para a entrada de startups no mercado internacional. 

As startups interessadas em passar pelo processo de seleção para as rodadas de 2021 na CapTable podem se cadastrar por meio deste formulário

“Nosso foco é atrair investidores que têm a visão que investir nesta modalidade pode trazer ganhos que nenhuma outra disponível no mercado é capaz de ofertar. Basta imaginar quanto teve de retorno os primeiros que investiram no estágio inicial de startups como 99, iFood e outros”, afirma Paulo Deitos, um dos cofundadores da CapTable.  

Fonte: CapTable

EnglishPortugueseSpanish