Fintechs devem priorizar serviços customizados e menos caros – Luciano Oliveira

Fintechs devem priorizar serviços customizados e menos caros  – Luciano Oliveira

Luciano Oliveira*

Do pagamento sem contato ao aumento da demanda por empréstimos para pequenas empresas, a pandemia impactou tremendamente as fintechs. Empresas como Nubank, Robinhood e Stripe conseguiram escalar rapidamente, mas outras que não foram tão ágeis se debateram ao tentar atender à demanda.

Com alguma distância do caos de março de 2020 e a corrida que se seguiu em direção à transformação digital, é hora dos departamentos de TI das fintechs se reorientarem e priorizarem quatro questões que considero em primeiro plano:

1 Como posso garantir uma comunicação segura com os parceiros?

A pandemia forçou colaborações e parcerias em todas as indústrias. Mas, num setor altamente regulamentado que é valorizado pela segurança e impulsionado pela confiança, como os departamentos de TI das fintechs garantem que as solicitações de negócios e a comunicação relacionada sejam rastreadas e tratadas com segurança? As fintechs precisam aproveitar ferramentas de fluxo de trabalho que ofereçam integração perfeita com fontes de dados externas e que adotem a privacidade moderna por princípios de design, como autenticação de dois fatores e criptografia ponta a ponta. Colaboradores de todas as partes envolvidas devem renunciar ao e-mail como meio de comunicação de trabalho. Em vez disso, as empresas devem usar ferramentas seguras de gerenciamento de trabalho remoto para facilitar essas parcerias.

2 Como faço para cortar custos?

Enquanto alguns segmentos de fintechs, como opções de pagamento digital e tradings, dispararam durante a crise, outros retrocederam. Os bancos de crédito e gestão de patrimônio são desafiados a lutar para manter o equilíbrio. Esses segmentos continuarão a buscar oportunidades de corte de custos, tanto hoje quanto no decorrer da recessão. As empresas devem recorrer a nuvens privadas para soluções de gerenciamento de serviços, help desk, ativos e incidentes. Isso reduz as despesas iniciais com infraestrutura e os custos de manutenção contínua. Esta é uma solução especialmente boa para o setor de fintech, pois provedores de soluções confiáveis ​​manterão os sistemas atualizados com os patches e correções de segurança mais recentes, reduzindo assim a quantidade de horas de trabalho necessárias para manter os sistemas em conformidade.

3 Como faço mais trabalho com menos pessoas? Hoje, os departamentos de TI das fintechs precisam enfrentar problemas maiores do que redefinir senhas ou pedidos de equipamentos se quiserem garantir o crescimento contínuo. De um exigente aumento em incidentes de segurança cibernética a praticamente todos os clientes conduzindo negócios online, as equipes de serviço de TI são levadas ao seu limite. Para acompanhar, eles precisarão de soluções de gerenciamento de serviços que estruturem rapidamente o trabalho e a comunicação entre eles e seus clientes. De portais de clientes e recursos de autoatendimento a roteamento de solicitações com base em habilidades e processos de negócios automatizados, as equipes exigirão ferramentas modernas que lhes permitam lidar de forma rápida e remota com tarefas de rotina para que possam manter seu foco nas atividades de valor agregado.

4 Como saber qual é o melhor caminho a seguir? Em um setor movido por números e dados, não é bom apenas “achar” ou “presumir” para uma decisão ser tomada. Hoje, os departamentos de TI atuam como guardiões de milhões de dados de entrada e saída. E as respostas para impulsionar o negócio estão enterradas nisso. As equipes de TI das fintechs devem adotar ferramentas de business intelligence para ocupar o centro do palco como impulsionadores do negócio. Desde a avaliação da rotatividade de clientes até a compreensão do que impulsiona os períodos de pico de transação, as ferramentas analíticas avançadas devem estar baseadas no atendimento ao cliente, help desk, CRM e outras ferramentas integradas para ajudar a mitigar riscos e abrir um caminho para a oferta de serviços customizados com menores custos.

As fintechs tiveram muita demanda no ano passado, e essa demanda não irá desacelerar em 2021. A crise obrigou os clientes a confiar em soluções financeiras online a um ritmo nunca antes visto. A necessidade de responder fomentou parcerias inesperadas. E as regulamentações de dados continuam a ficar mais rígidas. O ritmo das equipes de TI que atendem ao setor fintech não diminuirá neste ano, nem provavelmente no futuro. Portanto, encontrar as ferramentas e soluções certas para responder às perguntas acima será crítico.

Isso me leva a pensar. . . que outras perguntas você está fazendo para sua equipe de TI? O que está em seu radar hoje e na pós-pandemia?

*Luciano Oliveira é Diretor Geral da OTRS Brasil e Portugal Sobre o OTRS Group OTRS Group é o fabricante e o provedor mundial de serviços para a OTRS Service Management Suite, que recebeu o selo de aprovação SERVIEW CERTIFIED TOOL. Oferece às empresas uma solução de gerenciamento para comunicação estruturada em atendimento ao cliente, gerenciamento de serviço de TI e gerenciamento de segurança. Além do produto principal OTRS, as soluções de segurança STORM e CONTROL garantem o gerenciamento eficiente de incidentes e a documentação transparente de acordo com padrões como ISO 27001.

EnglishPortuguês
%d blogueiros gostam disto: