Prestes a receber primeira rodada de capital semente, fintech de crédito Unit sonha seguir os passos do conterrâneo PicPay

Prestes a receber primeira rodada de capital semente, fintech de crédito Unit sonha seguir os passos do conterrâneo PicPay
Equipe da Unit - Meneghel é o primeiro da esquerda

A Unit, de Vitória, quer ser mais do que mais uma fintech de benefícios corporativos: “Queremos voar tão alto quanto o PicPay”, diz o CEO Bruno Meneghel, inspirado pelo conterrâneo comprado pelo Banco Original em 2015, hoje um superaplicativo com 50 milhões de usuários prestes a abrir o capital nos Estados Unidos. A Unit atua como correspondente bancário oferecendo empréstimos para colaboradores de mais de 50 empresas. Agora, se prepara para receber sua primeira rodada “seed”, liderada pela Apex Partners.

A Unit pretende ainda passar a oferecer financiamento em um marketplace de produtos, de linha branca a cursos de pós graduação, para os funcionários das empresas clientes. “Queremos não apenas ajudar as pessoas a trocar divida cara por taxas mais justas, mas também a realizar seus sonhos de consumo”, diz Meneghel. “A jornada de sucesso financeiro passa também por investimentos; vamos lançar essa opção, associada a uma conta digital em breve”, adianta.

A fintech, que começou a operar em julho com funding de dois FIDCs, tem atualmente uma carteira de R$ 1,2 milhão, mais de 400 cientes – ou seja, um valor médio de R$ 3 mil por operação. As taxas começam em 1,2% ao mês, antes juros que podem chegar até a 13% no cheque especial. Aliviar o pesado custo dos empréstimos é um dos objetivos da Unit. Segundo Meneghel, estudos mostram que 80% dos trabalhadores vivem sob estresse financeiro, o que prejudica a produtividade – daí o interesse das empresas nas parcerias.

Apesar de especializada em crédito para funcionários de empresas privadas, Meneghel afirma que o principal negócio da fintech é educação financeira. Por isso, não gosta nem de dizer que faz crédito consignado – prefere chamar a modalidade por um nome menos desgastado no mercado: crédito com garantia em salário.”Fazemos tudo diferente dos bancões; é tudo digital, o que além de mais rápido e menos burocrático, sai mais barato e menos arriscado, e ainda evita fraudes. E apesar da tecnologia, nos dedicamos a ouvir os problemas e ajudar os clientes com soluções mais adequadas a cada um”, diz.

Mercado capixaba

Além de Meneghel, outros dois sócios da Unit vieram da Dacasa, financeira regional liquidada no começo do ano passado pelo Banco Central. Até então gigante do crédito capixaba, com mais de três milhões de clientes e 47 lojas, estava em setembro de 2019 com uma carteira de crédito de R$ 842 milhões, captações com credores de R$ 866 milhões, e prejuízo de R$ 18 milhões. O BC alegou insolvência e irregularidades para a liquidação.

Independentemente de quais tenham sido as razões da falência da Dacasa, uma coisa é certa: não apenas a Unit, mas outras fintechs regionais se beneficiaram pelo espaço deixado pela tradicional financeira – entre elas, o will bank, LiftBank, PayTime e SuperTicket.

EnglishPortuguês