Fintech Jeitto busca parceiro para expandir clientela, em troca de participação no negócio

Fintech Jeitto busca parceiro para expandir clientela, em troca de participação no negócio
Carlos Barros (esq), da Jeitto

Denise Ramiro

Após sete anos de operações, o Jeitto, aplicativo que concede limite de crédito para pagamento de compras online e serviços, está em busca de um parceiro para aumentar a sua carteira de clientes, que alcançou a marca de um milhão de pessoas, com mais de 1,4 milhão de transações realizadas no período. A nova fase de expansão da fintech não se dará com a entrada de novos recursos, via captação, mas com a parceria de uma empresa que atue com o mesmo perfil de clientes do Jeitto, o público das classes C e D.

“Estamos em busca de um parceiro e de um modelo de negócios que não necessariamente envolva dinheiro, mas a troca de valores entre as empresas”, disse ao portal Carlos Barros, fundador do Jeitto. A fintech que nasceu em 2014 com capital próprio dos sócios, recebeu aportes angel e family office ao longo da sua jornada, que somam R$ 50 milhões, metade disso em 2019, foram injetados pela family office dos sócios do Banco Máxima, agora está disposta a oferecer uma participação no negócio em troca de acesso à clientela do futuro parceiro.


Enquanto procura a parceria ideal, o Jeitto apresenta novidades para fidelizar a atual clientela. Em junho, lançou o Empréstimo Jeitto, aumentando os tíquetes e prazos para o tomador. Até então a fintech ofertava apenas crédito de R$ 30,00 a R$ 200,00 na primeira tomada, e de até R$ 500 nas demais, com prazo de 40 dias, mediante pagamento de uma tarifa calculada pelo tipo do produto e o volume de limite de crédito utilizado pelo cliente. Agora, o tíquete médio passa para R$ 1,3 mil, com prazo de pagamento de até 16 meses, e ao invés de tarifa, o novo produto cobrará juros entre 8% e 13%.

A fintech utiliza inteligência artificial para analisar o comportamento e a intenção de pagamento do usuário a partir das informações coletadas via celular, que segundo Barros, seguem todas as exigências determinadas pela Lei de Proteção de Dados (LGPD). Essa análise de risco de crédito mais apurada se deve ao fato do Jeitto investir muito desde o início na sua base tecnológica — 40% da equipe de 40 pessoas está ligada à área de desenvolvimento e Ciência de Dados.

Com o novo produto, a estimativa da empresa é manter o ritmo de crescimento e chegar ao fim do ano com dois milhões de clientes e R$ 600 milhões em créditos concedidos. Entre janeiro e março de 2021, o Jeitto cresceu 16 vezes, se comparado ao mesmo período de 2020.

%d blogueiros gostam disto: