Justa lança pagamentos sem maquininhas e busca oportunidades de negócios no exterior

Justa lança pagamentos sem maquininhas e busca oportunidades de negócios no exterior
Felipe Bonezi, Justa

Dario Palhares

A fintech Justa está reforçando seu cardápio de opções de pagamentos com cartões de crédito, hoje centrado em terminais POS (point of sale), conhecidos como “maquininhas”. Em parceria com a administradora Elo, a startup, que tem a sua área de pesquisa e desenvolvimento (P&D) instalada em Recife, já está com tudo pronto para o lançamento, em novembro, de um aplicativo que permitirá a realização de compras com a aproximação de cartões de smartphones e tablets dos comerciantes. Específica para aparelhos com Android e suporte para Near Field Communication (NFC), a chamada tecnologia Tap On Phone (toque no telefone) demanda uma conexão com a internet e um sistema operacional Android 9 Pie ou superior.

Em agosto, a Stone havia anunciado a sua maquininha sem maquininha, a Tap Ton. Em 10 de setembro, a Asaas anunciou a compra da Code Money e também passou a oferecer a solução.

“O novo sistema será oferecido gratuitamente aos usuários, a exemplo do que ocorre com os nossos POSs”, diz Felipe Bonezi, head de tecnologia e produtos da Justa. “A tecnologia de toque permitirá reduções de custos e mais vantagens competitivas aos comerciantes. Seguimos, assim, a reduzir a dependência desse público em relação aos pacotes oferecidos pelos grandes bancos”.

Os 20 mil usuários cadastrados na fintech poderão realizar o autocredenciamento para o serviço de toque partir desta semana. A novidade, acredita Bonezi, deve alavancar de forma expressiva a penetração da Justa no segmento de micro e pequenos comerciantes. “A taxa de crescimento da clientela deve saltar da média atual de 8% para a faixa de 15% a 20% ao mês”, prevê ele.

Web Summit 2021

Com apenas três anos de estrada a startup também se prepara para participar, pela segunda vez, do Web Summit, um dos principais eventos globais de tecnologia e inovação. Nesta semana, 12 profissionais da casa embarcarão para Lisboa, onde será realizada, de 1 a 4 de novembro, a nova edição do encontro. Como reflexo de seu crescimento, a fintech – que realizou um pitch no palco Beta do evento em 2019 – apresentará seu caso no palco Growth do Web Summit deste ano, exclusivo para companhias com faturamentos superiores a R$ 30 milhões anuais e mais de cem funcionários. “Teremos acesso a um espaço ocupado, no passado, por algumas empresas que se tornaram gigantes do mundo digital, como Uber, Waze e Yellow”, destaca o executivo.

A estratégia da Justa em relação ao Web Summit contempla três objetivos. Além, claro, de apresentar suas soluções para o mundo, Bonezzi e seu time pretendem identificar tendências e novidades de outros polos tecnológicos e, last but not least, o interesse do mercado externo por fintechs brasileiras. “Fomos convidados pela Amazon para um jantar exclusivo no qual vamos falar sobre tecnologias e o momento atual da Justa”, diz Bonezi, que também planeja se reunir à mesa com outros interlocutores. “Vamos promover, durante o Web Summit, um jantar para convidados específicos, com o intuito de identificar oportunidades de negócios e investimentos.”

Leia também:

%d blogueiros gostam disto: