Justa contrata serviço de BaaS da Genial e vai incluir investimentos na sua plataforma para PMEs no ano que vem

Justa contrata serviço de BaaS da Genial e vai incluir investimentos na sua plataforma para PMEs no ano que vem
Eduardo Vils, sócio da Justa

A fintech Justa, especializada em soluções financeiras de crédito para pequenos e médios negócios de diversos segmentos, vai ampliar a oferta para esses clientes, plugando-as na tecnologia da Genial Investimentos, como a sua parceira de BaaS (Banking as a Service). Em breve será possível também fazer investimentos por meio da Conta Justa.

“Nosso sonho é ser uma das seis maiores fintechs do Brasil até 2023”, disse em maio Eduardo Vils, fundador da Justa, em entrevista exclusiva ao canal de Fintechs Brasil no Youtube.

“Com a parceria queremos ser a conta para os negócios dos pequenos e médios comerciantes do Brasil, com identidade própria, conectada ao Open Banking, com serviços de PIX para pagamentos de suas faturas e outras despesas (cash-out), por exemplo”, diz em nota Thiago Teixeira, sócio fundador da JUSTA. 

“Esta parceria com a Justa faz parte da transformação digital do mercado de empresas no Brasil e juntos vamos acelerar muito este movimento. E mais ainda, ver que a educação financeira é um dos pilares da JUSTA nos fez querer estar ainda mais próximos deles”, complementa Venancio Velloso, Sócio e CDO (Chief Digital Officer) da Genial Investimentos.

Com mais de 20 mil clientes, a Justa atua no setor em um mercado com grande diversidade de perfis de comércios num país de dimensões continentais e características heterogêneas em cada região. Com uma plataforma modular, que se conecta a outras empresas, como a Genial, a Justa acredita que está bem-posicionada para se adaptar rapidamente às mudanças de cenários econômicos.

“Desenvolvemos uma experiência de usuário para as pessoas jurídicas (PJs) muito diferente das oferecidas pelos bancos às pessoas físicas (PFs), pois fazer apenas uma adaptação não é a solução ideal para atender as empresas, trata-se de realidades muito distintas. Os negócios hoje precisam de tecnologia focada no negócio dele de fato, para ajudar a resolver seus problemas e não de serviços adaptados”, explica Eduardo Vils, sócio fundador da Justa.

Captação de R$ 90 milhões

A Justa captou em novembro uma linha de crédito de R$ 90 milhões junto ao Itaú Unibanco, com foco em MPMEs, para ser usada em pagamento de contas, por meio da Conta Justa, usando como garantia os recebíveis.

A disponibilização dessa linha de crédito é baseada em algoritmo desenvolvido pela fintech ao longo da sua experiência de três anos de existência, nos quais já disponibilizou cerca de R$ 30 milhões em créditos às MPMEs. A meta da JUSTA é chegar a mais de R$ 2 bilhões em concessão de crédito a comerciantes para pagamento de boletos até 2023.

%d blogueiros gostam disto: