Aumento do acesso a cartões de crédito no país prova que fintechs promovem inclusão financeira, afirma Zetta

Aumento do acesso a cartões de crédito no país prova que fintechs promovem inclusão financeira, afirma Zetta
Maurício Moura, BC

O terceiro estudo da Zetta, associação das empresas de tecnologia que atuam com serviços financeiros digitais, revela que mais brasileiros tinham acesso a cartão de crédito em 2018 do que em 2008. Para a Zetta, esse aumento é resultado direto do trabalho de inclusão financeira feito pelas fintechs. O percentual (medido pela pela pesquisa de orçamento familiar do IBGE, a Pofa) passou de 43% para 51% da população. Os maiores avanços ocorrem nas regiões Sul e Centro Oeste; já na Norte houve queda.

“O fato de as fintechs isentarem seus clientes de anuidade de cartão de crédito gerou uma maior competitividade. Isso se traduz em benefícios para a sociedade de forma geral”, disse Bruno Magrani, presidente da Zetta.

“A pesquisa Revolução dos entrantes: competitividade e inclusão financeira aprofunda a reflexão sobre o papel fundamental das fintechs na democratização do acesso ao setor financeiro no país”, afirma François Martins, diretor vice-presidente da associação.

Em 2020, o número de fintechs cresceu 34%, segundo o Distrito – enquanto isso, a concentração de ativos entre os principais bancos caiu para 67%, saindo do patamar de 70% em que estava desde 2015.

Ou seja, ainda há muito espaço para aumentar a competitividade e a inclusão.

“Precisamos falar de inclusão financeira, não mais de bancarização”, disse Maurício Moura, diretor de cidadania, relacionamento e supervisão de conduta do Banco Central, na live de apresentação do estudo ao mercado feita hoje, dia 15/2. Para ele, inclusão é mais do que dar acesso a instrumentos financeiros, mas dar educação para as pessoas fazerem bom uso desses instrumentos.

Moura tocou, também, em uma tecla sensível para o setor: “Devemos tratar igualmente os iguais e desigualmente os desiguais, na medida de sua desigualdade, como diria Aristóteles. Como regulador, não vamos impor leis rígidas aos desafiantes, por que estaríamos alimentando as barreiras de entrada, deixando grandes incumbentes bloquearem a entrada de pequenas startups. Mas enxergamos que alguns que nasceram como startups já se tornaram grandes. Não podemos deixar que estes asfixiem os entrantes também.”

Criada em março do ano passado, a Zetta tem hoje 20 associados: Nubank, Mercado Pago, Z1, Cora, Acesso, Mercado Bitcoin, Fit Bank, Recarga Pay, Conpay, Dock, Transfero, Modalmais, Donus, Bexs Banco, Zoop, Grupo Movile, Banco Inter, Creditas, Hash e Iugu.

Veja o estudo completo aqui.

%d blogueiros gostam disto: