Metaverso: o guia completo para iniciantes – PARTE 2 – Divaldo Oliveira/Wedoiti

Metaverso: o guia completo para iniciantes – PARTE 2 – Divaldo Oliveira/Wedoiti
Divaldo Oliveira, CEO da Wedoiti

À primeira vista, batizar a holding que controla o Facebook, Instagram e WhatsApp de Meta foi uma jogada inteligente. Principalmente em um momento no qual o Facebook passa por um processo de declínio lento e consistente. Da mesma forma, mas em escala bem menor, o alcance do Instagram também está em declínio desde 2019.

A princípio, tanto por causa do sucesso do TikTok como também pela simples razão de que as pessoas estão se cansando dos anúncios no Instagram e de seus influenciadores. Em suma, é fato que o Instagram já não é tão popular quanto costumava ser. Como resultado paira uma nuvem de dúvidas quanto ao futuro da Meta. Neste momento, seus melhores dias já ficaram para trás.

Esse cenário de baixo crescimento vem influenciando cada prioridade e decisão estratégica da empresa. Uma vez que isso já atingiu os resultados do seu balanço.

Então, em resposta ao declínio de seus principais produtos a Meta vem trabalhando na construção de um novo produto, mais especificamente, o metaverso. Nesse sentido seus esforços estão direcionados para o domínio da realidade virtual (RV) e da realidade aumentada (RA). Ambos são elementos essenciais na sua nova estratégia de metaverso.

metaverso second-life

As origens do metaverso

O público mais jovem já está habituado ao conceito de metaverso através de plataformas de jogos como o Fortnite e o Minecraft. Antes de mais nada vale ressaltar que essas plataformas já exercem forte influência sobre os hábitos de compra de seus usuários. Nesse sentido elas se tornaram instrumentos para a criação de metaversos mais amplos.Todavia o metaverso não é uma ideia tão nova quanto parece. Desde 2003, usuários ao redor do mundo se reúnem para vivenciar experiências de metaverso no Second Life. Porém seus criadores fazem um grande esforço para enfatizar que o Second Life não é um jogo como o Fortnite ou o Minecraft, uma vez que não há metas por alcançar.

Habitar o metaverso do Second Life é simples. Em primeiro lugar os usuários devem criar um avatar digital para representá-los. Logo a seguir eles são livres para explorar o mundo, conhecer outros usuários, criar seu próprio conteúdo digital e até negociar bens e serviços na moeda do Second Life, o Linden Dollar.O Second Life teve seu auge por volta de 2010. Todavia a experiência disponibilizada por ele é muito rudimentar. Ou seja, sua interface gráfica está muito longe da visão atual dos universos imersivos transmitidos por fones de ouvido e óculos especiais de realidade virtual que a Meta e a Microsoft estão divulgando.

Principais tecnologias do metaverso

Com o surgimento da internet vieram uma série de inovações tecnológicas. Como permitir que computadores que falavam linguagens diferentes passassem a falar uma linguagem única. Logo a se comunicarem intensamente e a grandes distâncias. Da mesma forma a capacidade de ir de um computador – ou página web – para outro pelo uso de hyperlinks.Simultaneamente ao desenvolvimento da Internet ocorreram tremendas inovações na interação dos usuários com seus computadores. Ou seja nas telas que se tornaram sensíveis ao toque passando por teclados e mouses mais funcionais e inteligentes.

Atualmente há um entendimento geral implícito de que as tecnologias que compõem o metaverso incluem tanto a realidade virtual assim como realidade aumentada sobre as redes sociais e os jogos.

realidade virtual

O que é Realidade Virtual?

Realidade Virtual (RV) é o uso de tecnologias para criar um ambiente simulado. Ao contrário das interfaces de usuário tradicionais, a RV coloca o usuário dentro de uma experiência imersiva. Em vez de ver uma tela na frente deles, os usuários estão imersos e capazes de interagir com mundos 3D. Ao simular o maior número possível de sentidos, como visão, audição, tato e até olfato, a computação se torna a fundação desse mundo artificial. Os únicos limites para experiências de RV quase reais são a disponibilidade de conteúdo e a capacidade de computação.

realidade aumentada

O que é Realidade Aumentada?

Realidade Aumentada literalmente significa “Aumentar a Realidade”. Em outras palavras ela apresenta o mundo real com camadas extras de informações digitais projetadas nele. A RA combina o mundo físico com sobreposição de elementos virtuais gerados por computador. Esses conteúdos virtuais 2D ou 3D são projetados na realidade dentro do campo de visão das pessoas. Principalmente através de câmeras de smartphones ou óculos inteligentes, com a intenção de fazer com que o mundo físico e o virtual se reconheçam e interajam juntos com a ajuda da visão computacional e do ramo da inteligência artificial de aprendizado de máquina.

A RA é tecnicamente um grande desafio pois nela o mundo virtual e o real devem coexistir perfeitamente, e a informação digital tem que reconhecer o mundo real, com seus obstáculos, objetos naturais, gestos de pessoas, rostos e interações com elas. Do mesmo modo, tudo deve acontecer em tempo real, o que a faz bastante complicada por enquanto.

redes sociais - marketing digital

Quais são as diferenças entre realidade aumentada e virtual?

Sobretudo ambas oferecem novas maneiras de imergir as pessoas e aprimorar sua visão com a ajuda da tecnologia. Todavia elas o fazem de maneiras realmente diferentes. Enquanto a realidade virtual substitui completamente o que as pessoas veem e experimentam, a realidade aumentada acrescenta algo a ela.

metaverso dois desafios tecnológicos

Leia a primeira parte deste artigo aqui:

Metaverso: o guia completo para iniciantes – PARTE 1

E mais :

Corretora online Rico, da XP, lança fundo de ações de empresas pioneiras no metaverso; benchmark será índice da Bloomberg

Sejam bem-vindos ao Metaverso, a mais nova fronteira das criptomoedas – Cássio Krupinsk/BlockBR

%d blogueiros gostam disto: