A israelense Payoneer elege a paulista Husky como parceira local no segmento de cobranças e pagamentos internacionais

A israelense Payoneer elege a paulista Husky como parceira local no segmento de cobranças e pagamentos internacionais
Mar Fernández, Payoneer

Dario Palhares

A Payoneer, fintech israelense especializada em cobranças e pagamentos internacionais, escolheu a startup paulista Husky, que atua no mesmo segmento, para alavancar seus negócios no Brasil. Com a parceria operacional, a Husky vai oferecer contas internacionais em seu aplicativo que permitirão a seus cerca de 8 mil clientes ativos receber pagamentos, em diferentes moedas, provenientes dos 190 mercados onde a Payoneer atua. Os valores serão creditados imediatamente à fintech brasileira e poderão ser transferidos para contas bancárias locais.

“O plano de integração entre as fintechs terá sequência ao longo deste ano, com o acréscimo de novas funcionalidades”, adianta Tiago Santos, CEO e cofundador da Husky, à Fintechs Brasil.

Presente desde 2019 na Argentina, onde está instalado o seu QG para a América Latina, a Payoneer estava de olho há tempos no mercado brasileiro, para o qual presta serviços há mais de dez anos. Em janeiro, María Del Mar Fernández, country manager e líder de estratégia da empresa para a região, revelou ao Fintechs Brasil que o desembarque, previsto para 2020, teve de ser adiado devido à pandemia da Covid-19. Depois de finalmente abrir um escritório em São Paulo, na virada do ano, a fintech israelense tratou de prospectar um parceiro local de negócios.

Tiago Santos, Husky

“Temos acordos similares em vários pontos do globo, como Sudeste Asiático, Oriente Médio e Europa”, diz Mar. “Na América Latina, trabalhamos com a Ligo, no Peru, a Prex, no Uruguai e na Argentina, e agora com a Husky, no Brasil. Outras parcerias estão previstas para a região.”

Com cerca de 14 milhões de usuários, a Payoneer, que marca presença no pregão da Nasdaq há um ano, tem como um de seus principais públicos profissionais autônomos, free lancers (desenvolvedores de softwares, especialistas em marketing digital, tradutores, advogados etc.) e pequenos negócios de viés tecnológico. No Brasil, as atenções da empresa estão voltadas, sobretudo, para o segmento dos programadores, que soma mais de 500 mil profissionais, dos quais, segundo a plataforma Dedicated Team, 20% prestam serviços para empresas no exterior.

“O Brasil exporta cada vez mais talentos. É crescente o número de profissionais e empresas locais que prestam serviços relacionados à economia digital nos mercados externos”, comenta Mar. “Por meio da parceria com a Husky, esperamos captar nos próximos anos cerca de 30% dos profissionais brasileiros que exportam seus serviços.”

A fintech brasileira, que já movimentou mais de R$ 1 bilhão em pagamentos internacionais, conhece a fundo esse nicho de mercado. Afinal, o negócio foi criado há seis anos por um cientista de dados, o CEO Santos, e um cientista de computação, o diretor de tecnologia (CTO) Maurício Carvalho, que desde 2014 atendiam clientes no exterior. Atualmente, a Husky contabiliza mais de 8 mil clientes ativos com perfis muito semelhantes aos de seus fundadores.

“Cerca de 82% do nosso público é formado por profissionais de tecnologia, marketing e design, com destaque para os programadores”, diz Santos, que, no passado, recorria com frequência aos serviços da sua nova parceira. “A Payoneer já era uma solução naquela época para os brasileiros que prestam serviços para fora. É uma honra para a Husky ser reconhecida como a melhor opção para os saques das contas Payoneer no Brasil.”

Leia mais:

Fintechs israelenses invadem o Brasil: Rapyd dobra aposta e Personetics chega em 2022, após PayKey e MoneyNetint

Payoneer, de meios de pagamento para o e-commerce, reforça o time das fintechs israelenses no Brasil

Payoneer chega ao Brasil para ‘exportar’ serviços locais para o mundo – Finsiders

%d blogueiros gostam disto: