Ícone do site Fintechs Brasil

Adesão maciça ao PIX faz quantidade de transações financeiras por mobile aumentar 75% em 2021

A adesão maciça ao PIX provocou um crescimento de 75% no volume das transações com movimentação financeira feitas pelos clientes bancários através de celulares.

De acordo com a terceira (e última) parte da Pesquisa Febraban de Tecnologia Bancária, realizada em conjunto com a Deloitte, em 2021 foram realizados mais de 4,5 bilhões de pagamentos instantâneos, e o número de usuários que realizam mais de 30 Pix por mês chegou, em março de 2022, a quase 3,9 milhões – um incremento de 809% em relação aos 12 meses anteriores.

O Pix também teve impacto sobre DOCs e TEDs, que registraram queda de 26% no mobile banking e de 38% no internet banking.

As informações foram colhidas em 2021 junto aos 22 principais bancos que atuam no país, que detêm 87% dos ativos do setor.

De forma geral, a quantidade de transações cresceu 15% em relação a 2020, com predominância do uso dos canais digitais –considerando movimentações e consultas, o uso dos celulares aumentou 28% e chegou a uma participação de 56%. A abertura de contas pelos canais digitais cresceu 66% e foi maior do que em agências pela primeira vez na história: 10,8 milhões, contra 9,9 milhões.

Mais de 200 milhões de contas

São mais de 200 milhões de contas ativas no mobile banking e outras 35 milhões no internet banking; o cliente do mobile acessa seu banco, em média, 40 vezes por mês, praticamente o dobro do ano anterior.

Chama a atenção, ainda, a quantidade de operações de crédito fechadas pelos clientes por aplicativos e internet banking, revelando que a conveniência e o autoatendimento caíram no gosto do brasileiro, também quando o assunto é banco.

As contratações de crédito pelo celular somaram R$ 960 milhões, com alta de 26%, enquanto no internet banking, 27%, para R$ 186 milhões. A pesquisa mostra que 93% das contratações de crédito foram feitas por canais digitais em 2021.

Rodrigo Mulinari, diretor do Comitê de Inovação e Tecnologia da Febraban, explicou que a pesquisa não faz recorte da utilização dos canais por pessoas e empresas, e PJ, mas é possível perceber o comportamento diferente entre esses dois públicos.

“As pessoas estão migrando fortemente para mobile, com acesso cada vez menor às agências e canais físicos, e as empresas ainda dão preferência ao internet banking”, diz.  No mobile, 94% das transações são feitas por pessoas enquanto no internet banking 60% são realizadas por empresas.

Agências e ATMs registram queda na maioria dos tipos de transações pesquisadas (20% para transações de pagamentos, e para 12% contratações).

A contratação de seguros, apesar de ter subido muito, ainda é feita preponderantemente em agências e PABs (80%), e 27% dos pagamentos de contas ainda são feitos em correspondentes bancários. No caso do Pix, 95% das operações foram no mobile e 5% na internet. Os canais digitais também lideram quando o assunto é contratação de investimentos: representam 66%.

A pesquisa revelou ainda que 27% de uma amostra de 11 bancos pretendem investir em insurtechs em 2022. Mais da metade fala em inovação de produtos e cobertura de novos riscos e personalização de canais e produto para o cliente. Ainda assim, envolvimento com ecossistemas e insurtechs é citada somente por 8% dos bancos.

Open Finance

A pesquisa mostrou também que os consumidores ainda resistem, mas já começam a compartilhar dados entre bancos: a quantidade dos que consentiram aumentou 18%.

“O nível de compartilhamento dos dados tende a aumentar à medida que o consumidor percebe os benefícios do Open Finance, como, por exemplo, a facilidade de consolidação e organização dos seus dados financeiros que lhe proporciona uma melhor experiência bancária”, diz Sérgio Biagini, sócio-líder da Deloitte para a indústria de serviços financeiros.

No caso das pessoas físicas, até abril de 2022, 33% dos dados compartilhados foram de contas (limite, extrato e saldo), 23% dados obrigatórios (dados cadastrais e informações complementares), 22% para dados de cartão de crédito (limite, fatura e transações), e 22% sobre dados de operação de crédito (direitos creditórios descontados, financiamentos, adiantamentos a depositante e empréstimos). Em relação à pessoa jurídica, os dados de contas aparecem em primeiro lugar com 34%, seguidos de dados de operação de crédito (30%), dados obrigatórios (20%) e dados de cartões de crédito (16%).

Sair da versão mobile