PicPay registra lucro de R$ 58 milhões no primeiro semestre e começa a segmentar clientes

PicPay registra lucro de R$ 58 milhões no primeiro semestre e começa a segmentar clientes
Eduardo Chedid/PicPay

A expansão do portfólio de produtos e serviços, juntamente com o controle e a eficiência operacional, levaram o PicPay a ter lucro ajustado de R$ 58 milhões no primeiro semestre, revertendo a perda de R$ 656 milhões apurada no mesmo período de 2022.  Foi o terceiro resultado positivo consecutivo do PicPay.

Em comunicado, a fintech afirma que o resultado “confirma o ponto de virada da companhia, que no ano passado atingiu o break even 18 meses antes do previsto”.

“Fizemos movimentos importantes, como a aquisição da BX Blue, a construção da unidade de Investimentos e a incorporação do varejo do Banco Original. Isso nos ajudou a acelerar nossa capacidade de expandir o ecossistema, com mais produtos de investimentos, crédito, cartões e seguros, além de outros diferenciais, sem perder o foco na rentabilidade. Queremos oferecer uma proposta de valor personalizada para cada tipo de cliente”, diz Eduardo Chedid, CEO do PicPay. 

A segmentação será dividida em diferentes públicos e vai incluir a alta renda. “Hoje, o aplicativo parte de uma base de mais de dois milhões de clientes afluentes”, diz o comunicado. Nos últimos meses, foram lançadas soluções com foco nesses usuários, como CDBs com diferentes prazos, remunerações e de outros emissores, seguros que englobam Open Finance, features como alerta de preços para quem transaciona criptomoedas, novas empresas para investir via P2P Lending, e o Conta das Contas, que permite movimentar qualquer conta pelo PicPay e reúne mais de 1,5 milhão de usuários e R$ 17 milhões transacionados no Open Finance.  

No próximo semestre, a companhia também vai lançar novas vertentes de cartão Black e Platinum com programa de pontos com mais vantagens, além de novos produtos de investimentos, como fundos, e o atendimento via gerentes. “Estamos saindo de uma abordagem de ‘one-size fits all’ para uma comunicação personalizada e sob medida para cada segmento de cliente”, explica André Cazotto, diretor de RI, Estratégia e M&A do PicPay. 

“Com a prateleira mais robusta, os usuários antigos agora usam os serviços com maior agilidade e os novos usuários adotam o ecossistema rapidamente, logo no primeiro trimestre de experiência, consumindo três produtos em média. Antes, levava-se cerca de oito meses para isso”, informa o PicPay.

“Neste ano, lançamos diversos produtos e serviços com foco na estratégia de expandir nosso ecossistema financeiro para nos tornarmos a principal conta dos usuários ao longo do tempo. Esse objetivo deverá permanecer pelo próximo semestre, baseado também na rentabilidade e maior eficiência operacional”, reforça Cazotto.  

Descubra mais sobre Fintechs Brasil

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue lendo

×
%d